Pré-catequese

OQUE É PRÉ-CATEQUESE?


Trabalho de iniciação cristã realizado, através de atividades lúdicas e diversificadas, com crianças de 4 a 7 anos. "(...) poderá haver formação religiosa na Paróquia para crianças na faixa etária de 4 - 7 anos, através da Catequese Infantil, subdividida em grupos separados (4-5 anos; 6-7 anos). Este período de formação não pode ser considerado obrigatório para os catequizandos." (Diretório Pastoral de Catequese 2.8.).

Atenção: - Que a Pré-Catequese Infantil não seja uma repetição daquilo que a criança já vê na Pré-Escola. - Não devemos tratar de forma aprofundada e sistemática temas que serão trabalhados na Catequese de preparação à 1ª Eucaristia.


Objetivo: Levar a criança a descobrir que é amada por Deus e que este criou tudo por Amor. A descoberta de Deus Pai Criador. "O homem não pode viver sem amor. Ele é chamado a amar a Deus e ao próximo, mas para amar verdadeiramente, deve ter a certeza que Deus lhe quer bem." (Carta do Papa às Crianças no Ano da Família).

Despertar nos pequeninos o amor a Jesus; à sua Palavra e à sua Igreja. Semear no coração da criança, através de variados recursos didáticos, o amor a Deus e ao próximo. Cultivar nas crianças o gosto pela vida na comunidade. Criar alternativas de aproximação com as famílias, visando evangelizá-las, inclusive, através dos pequeninos.

Como? O trabalho na Catequese Infantil deve ser realizado, sobretudo, de forma ocasional, levando em consideração as características desta faixa etária. O catequista deve estar atento aos acontecimentos presentes e às "novidades" trazidas pelas crianças. "Desde o ensino oral dos Apóstolos e das cartas que circulam entre as Igrejas até os meios mais modernos, a catequese nunca deixou de procurar as vias e os meios adaptados para desempenhar sua missão..." (CT 46). Os encontros devem sempre conter cantos com gestos , histórias, dinâmicas ou brincadeiras, material visual, atividades práticas, etc. Se possível, que as crianças fiquem sentadas em roda. ( As atividades planejadas devem girar em torno de um único tema que será trabalhado a cada encontro. A Palavra de Deus, a vida de Jesus, sempre que possível, tudo deve ser apresentado de forma ilustrada.

Formação - Como em toda a Catequese, os catequistas que desejam trabalhar com esta faixa etária, precisam buscar a formação adequada. "Qualquer atividade pastoral que não conte para a sua realização, com pessoas realmente formadas e preparadas, coloca em risco a sua qualidade" (DGC 234). Torna-se necessário que o catequista, além da formação doutrinal, procure conhecer: as características do desenvolvimento da criança (psicopedagogia); noções de didática e planejamento; como evangelizar através da música e de histórias; como usar atividades diversificadas de forma catequética; etc.

Dimensões: 
SER - A mais profunda: humana e cristã
SABER - O que transmite e a quem
SABER FAZER - Como transmite
(DGC 238)

Planejamento - Ponto de partida :o objetivo a ser atingido. Considerando a realidade local; a previsão do número de encontros, as principais datas litúrgicas e civis (Dia das Mães, ...dos Pais,... das Crianças, Aniversariantes do mês, Atuação nas Missas..).

O planejamento da Catequese Infantil deve ser parte integrante do planejamento global de toda a Catequese. Portanto, não deve ser feito isoladamente, mas, junto à coordenação geral.

ENCONTROS :
OBJETIVO
ROTEIRO /TEMPO
AMBIENTE ALEGRE
MATERIAL
TEMA CENTRAL
AVALIAÇÃO


 
Perfil do Catequizando da Pré-Catequese:
“O(a) catequizando(a) aos 6 anos completos apresenta desenvolvimento motor ainda lento; cansa-se com tarefas complexas; gosta de atividades com movimento; de brincadeiras; opta por lugares onde sinta-se seguro; apresenta uma certa resistência a regras rígidas; é influenciável e gosta de imitar os amigos e personagens de TV; ‘abusa’ da fantasia; aprecia pequenas histórias que empolguem; é um pouco egocêntrico(a) e centrado(a) em si mesmo; chora e emburra com facilidade. Assim, é importante o(a) catequista:
:: Apresentar as regras de forma clara, sabendo alternar ternura e vigor;                                :: Fazer uso dos jogos e da dança;                                                                                                     :: Valorizar atividades de memorização e uso de símbolo                                                                                                                                                    :: Ter tempo para ouvir as dúvidas e as curiosidades dos catequizandos;                                :: Não ficar escravo do humor da criança;                                                                                      :: Apresentar Jesus como um amigo que tem muitas coisas bonitas para ensinar;                 :: Ensinar as formas de se relacionar com Ele;
:: Motivar as crianças para os valores cristãos.                                                                              É importante o(a) catequista lembrar-se que, em geral, nesta fase os catequizandos 
não estão alfabetizados, daí a importancia das atividades alternativas, inclusive
no que se refere a memorização. 
 



                           
 
 
ESTRUTURA PARA ENCONTROS
Alguns aspectos são fundamentais na organização de qualquer encontro:
Objetivo a ser atingido - Diante do tema a ser trabalhado, devemos estabelecer um objetivo a ser atingido; algum ensinamento, atitude e/ou comportamento ao qual a criança/grupo deve chegar.
Ambiente alegre e acolhedor - Incluir sempre músicas e atividades que promovam a integração.
Planejamento de todas as atividades de acordo com o tema central -Todas as partes do encontro (músicas, dinâmica, história, versículo a ser guardado, atividade prática, oração, etc.) precisam girar em torno do tema a ser trabalhado e devem estar encadeadas entre si.
Tempo de duração - Estar atento ao tempo de duração do encontro, para que as atividades sejam bem distribuídas.
Organização e preparo do material necessário - Separar e preparar com antecedência o material a ser utilizado durante o encontro.
Avaliação - Ao final do encontro, torna-se necessário avaliar: se o objetivo foi atingido; se a mensagem foi bem compreendida; se as atividades e o material foram adequados; se o tempo foi bem utilizado... Tal avaliação será muito importante para a melhor organização do próximo encontro.
Acolhida
É a hora do entrar no terreno. É a hora do sentir-se amado, querido, importante; do "Que bom, que bom que você veio!" Precisa ser sempre alegre, cheia de beijos e abraços, como quando recebemos os amigos.
Deve ser festiva , com músicas cheias de gestos e animação.
É importante que os pequeninos se cumprimentem uns aos outros; que verifiquem quem está faltando; que haja manifestação da falta que fazem aqueles que não compareceram. Afinal de contas, já formamos uma comunidade! Comunidade de Jesus! E lembramos bem do que diz o nosso Mestre: "Assim é a vontade do Pai celeste, que não se perca um só destes pequeninos." (Mt 18,14). Cada um é muito importante!
A oração inicial deve ser parte integrante da acolhida; onde agradecemos a Deus a presença de cada um e paramos para acolher, em especial, a Sua própria presença; convidando-O a permanecer em todo o encontro. Uma oração simples, direta e objetiva; sem brigas pelo silêncio absoluto. É preciso que o catequista ore de fato. Sua atenção a Deus precisa ser maior do que a preocupação com a quietude de todos. Rezamos, também, a oração que Jesus nos ensinou (Pai Nosso).
Lembre-se: Dependendo de como se sente acolhida, é que a criança deixará, ou não, alguém "pisar" no solo do seu coração!
Partindo do concreto - É a hora de preparar o terreno. Observando as características desta faixa etária e seguindo o exemplo de Jesus, que, para falar do Reino, se utilizou da pesca, da rede, do fermento, da lâmpada, etc., todo encontro deve partir da experiência, do entendimento de algo concreto, que possa ajudar a criança a compreender, em seguida, o abstrato. Experiência concreta significa que a criança precisa ver, ouvir, tocar, entender como funciona, falar, etc. Pode ser através de um teatro de fantoches, de uma brincadeira, uma história bem contada e dramatizada, de um desafio a ser resolvido, do funcionamento de um aparelho, de um objeto, etc. A experiência concreta deve estar, intimamente, relacionada ao tema principal do encontro; àquilo que se almeja como principal ensinamento do dia e se quer que fique guardado no coração.
Lembre-se: É preferível que nos empenhemos em plantar bem um só ensinamento a cada dia, do que lançarmos vários, correndo o risco de que nenhum deles se aprofunde no coração.
A chave
É a hora de cavar o buraquinho. Lembremos que a curiosidade é uma das marcas desta faixa etária! Trata-se de uma frase; uma pergunta lançada, cuja resposta estará na Palavra de Deus a ser lida. Despertada a dúvida (ou, a curiosidade), esta será saciada pela Palavra de Deus. Jesus costumava fazer isto muitas vezes, lembra? "Quem dizem os homens que eu sou?" (Mt 16,13); "Qual destes foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?" (Lc 10,36); "A que direi que é semelhante o Reino de Deus?" ( Lc 13,20); "Se um filho pedir pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra?" ( Lc 11,11) ... Depois de termos partido do concreto, lançamos para a criança uma dúvida ou, uma pergunta e apresentamos o livro (Bíblia) onde iremos encontrar a resposta. A resposta, na verdade, é aquele versículo, previamente escolhido, que gostaríamos que ela guardasse no coração.
Lembre-se: A pergunta servirá como um "abrir caminhos" para a Palavra de Deus.
Semeando a palavra - Desenvolvimento do tema
É a tão esperada hora de plantar a semente! É ela que contém tudo o que a criança precisa saber e viver.
Não pode ser jogada de qualquer jeito, mas... com todo jeito, respeitando os limites de compreensão dos pequeninos.
É importante que seja apresentada de forma ilustrada (em quadrinhos, por exemplo) ou dramatizada.
Tudo para que possa ser melhor compreendida.
Quando não se tratar de uma passagem bíblica que conte uma história completa (Zaqueu, Jesus encontrado no templo, Filho Pródigo, Ovelha Perdida, etc.), devem ser tomados, no máximo, 2 ou 3 versículos, sendo traduzidas, sem distorção de sentido, as palavras mais difíceis.
É a hora de trabalhar mais claramente o tema do encontro. Tema que, na verdade, já vem sendo trabalhado desde o início nas músicas, na experiência concreta, no versículo escolhido...
Lembre-se:
Quando o semeador saiu a semear, a semente era a Palavra(cf. Mc 4,14). A Palavra de Deus é viva e eficaz (Hb4,12 a), não volta sem ter produzido o seu efeito (Is 55, 11b). Então, o que é que a criança precisa levar no coração? A Palavra.
"Experimentando orando"
É a hora de regar a semente. É o pedido a Deus, com música, desenhos, gestos, atitudes, etc., de uma experiência daquilo que a Palavra anunciou; do tema trabalhado.
No início, as pequenas orações devem ser conduzidas, até que as crianças se sintam à vontade e comecem a fazer orações espontâneas.
É a hora do Espírito Santo! É a hora em que falamos com Deus, através do verso de uma música, do oferecimento de um desenho ou de um gesto concreto. Algo que realmente faça sentido.   Lembre-se: Disse o Apóstolo Paulo: "Eu plantei, Apolo regou, mas Deus quem deu o crescimento."(I Co 3,6). Apresentar e levar os pequeninos a este diálogo direto com Deus é fundamental.
Atividade prática
É hora de abrir caminhos para os frutos.
Atividade que permita, de forma bem dinâmica e participativa, que a criança perceba que o que foi ensinado precisa ser vivido com os colegas, com a família, na escola, onde for.
Tais atividades podem ser de modelagem, recorte e colagem, desenho, ensaio de dramatizações ou músicas a serem apresentadas, construção de murais, maquetes, dinâmicas ou jogos...
Lembre-se: O importante é participar e perceber que, cada vez que aprendemos algo com Jesus, uma atitude precisa ser tomada!
Guardando de cor
Trata-se de uma frase conclusiva. Uma frase que traduza aquilo de mais importante sobre o encontro e que precisa ser guardado de cor , ou seja, no coração.
Esta frase pode ser parte de um dos versículos lidos, o verso de uma música, parte da oração feita ou, sobretudo, uma conclusão a que um dos pequeninos chegou.
Com o tempo, esta frase deve ser escrita numa tira de papel e levada para casa, onde poderá ser colocada na porta da geladeira e, assim, evangelizar toda a família.
Lembre-se: A evangelização da criança precisa ser cultivada pela família, porém, muitas vezes, a evangelização da família começa pela criança. É preciso levar sempre algo para casa.
Encerramento
A despedida também precisa ser alegre, com música e oração simples, de preferência, já decorada (Ave Maria, Santo Anjo...), pois, a esta altura, torna-se mais difícil obter silêncio e concentração.
Lembre-se: Se você lhe disser que conta com ela na próxima semana e que foi muito bom ter tido a sua companhia, a criança poderá voltar para casa mais feliz.
Fonte: catequisar.com.br

13 comentários:

dri disse...

Oi meu nome e Adriana, sou catequista na paróquia Nossa senhora Auxiliadora da diocese de Corumbá MS. Amei o seu blog!!!!! Em tudo se percebe o amor de ser catequista!!! Parabéns!!!!
beijinhos

dri

Anônimo disse...

Oi, gostei muito do Blog, me tirou muita duvida, porque sempre eu trabalhei com crisma, e esse ano estou na pre catequese, e esse Blog me ajudou de verdade, obgrigada
Sou catequista e Coroinha da Paroquia de São Feliz de Valoais, em Marabá-Pará
Rayane Kely Alves

maria natalicia disse...

ADOREI SEU BLOG!!!BEMDITA SEJA VC!!!

Anônimo disse...

oi eu sou a si e gostaria de saber se uma criança que esta fazendo a catequese é obrigado a ir todos os dias na missa?

Maria disse...

Amei sou catequista na paroquia nossa senhora do caminho em goiania.
Achei mt bom esse blog.
obrigada

Adriana disse...

Olá meu nome é Adriana gostaria muito de receber o roteiro do 2º semestre de 2011. Amo visitar o seu blog!!! Que Deus continue a abençoando.

bjs

dri

laurin g disse...

nossa eu sou mto nova acabei de ser crismada, e adoro minhas crianças, seu blog me fez sentir mais segura e mais confiante, mto obrigada pela ajuda!

SEGUINDO OS PASSOS DE JESUS disse...

foi muito bom ver essa publicação sobre a pre catequese esse é o meu segundo ano com uma turminha de 6 e 7 anos e sempre bom aprender mais, muito obrigada.

Anônimo disse...

oi meu nome eh Jeane sou catequista de crianças de 3 a 5 anos,parabéns pelo blog, ele me ajudou bastante...

isabel ferreira disse...

gostei muito do blog, ele tem um conteúdo maravilhoso.

Isabela Agostinelli disse...

Oi, meu nome é Isabela tenho 15 anos e sou catequista iniciante (Rio Brilhante- MS)!! Adorei o blog e essas informações vão me ajudar muito com meus catequizandos do amiguinhos!! PAZ E BEM!!!!!

ewellyn eduarda disse...

Olá meu nome e Evelyn tenho 13 anos sou catequista iniciante , adorei esse blog sobre catequese tirei todas minhas dúvidas , gostei muito mesmo .

Raamon Souza disse...

Olá me chamo Ramon e sou catequista Iniciante na Diocese de Nossa Senhora do Rosário precisamente na capela de nossa senhora de Fátima... Adorei seu blog muito eficaz para mim!